IMPRENSA

A- A A+

Educadores do SESI comentam novas tendências de educação via plataformas digitais


Com a adoção das plataformas digitais desde 2020, as novas tendências de educação têm o propósito de inovação, buscando aprimorar as práticas educativas e garantir maior qualidade no processo de ensino e aprendizagem, com foco na formação integral dos estudantes. Muitas tendências surgem justamente em momentos desafiadores, que requerem soluções imediatas. As escolas do SESI em Rondônia se adaptaram rapidamente empreendendo novas estratégias e metodologias de ensino, principalmente com o auxílio da tecnologia, cujos recursos, possibilitaram o acesso aos conteúdos trabalhados em sala de aula para estudar em casa e a interação com os professores e colegas.

 

Nas escolas do SESI-RO a tecnologia educacional já estava sendo integrada às práticas pedagógicas, mas como um complemento às atividades regulares. Porém, com o cenário atual, tornou-se a principal forma de proporcionar o ensino-aprendizagem. O SESI superou mais esse desafio e finalizou o ano letivo de 2020 sem perdas para os alunos.

 

A pedagoga Tatiana Botelho, da escola SESI-SENAI-IEL Lagoa, de Porto Velho, lembra que as adaptações em decorrência do momento que vivemos, foram necessárias e essa revolução na forma de ensinar, sem dúvida é um ponto positivo no que concerne as novas tecnologias aliadas às mídias educacionais. “Precisamos adotar novas plataformas, estratégias e esses recursos farão parte da sala de aula, principalmente na facilidade de conectividade entre professores e alunos”, disse.

 

Conectividade como forte aliado

 

Considerando que as aulas são transmitidas ao vivo através da plataforma digital, o SESI foca na interatividade com o professor e os alunos. “Sendo o aluno um nativo digital, e esse domínio destas ferramentas, tem sido benéfica para a condução de conteúdo remoto através de plataformas como SESI Educação, Plurall, as parcerias com a Somos, com a Geekie, Microsoft, Google Meet, entre outras. São pontos positivos e acredito que mesmo com o retorno às aulas presenciais, esta tecnologia vai permanecer cem por cento nas escolas SESI, porque essas tecnologias facilitam, nos aproximam, nos trazem para perto mesmo à distância”, garante a pedagoga.   

 

Segundo o coordenador de Educação SESI-SENAI-IEL-RO, Jair Coelho, as crises, apesar dos desafios, sempre trazem o lado positivo, pois oferecem a oportunidade de melhorar e inovar para se adaptar às adversidades. “O ensino remoto estimulou várias habilidades importantes para os alunos, aproximou os familiares da educação, fez com que os professores desenvolvessem novas estratégias e as escolas buscaram inovação para atender às necessidades do momento”, comentou.

 

Ainda conforme o coordenador, a interação com os alunos em sala de aula tem sido produtiva, pois o feedback que os professores recebem constantemente durante a aula ajuda a melhorar o ensino-aprendizagem. “Apesar dos desafios do ensino a distância, a pandemia trouxe mudanças positivas para a educação, que já eram objetivos a serem alcançados e tiveram que ser adiantados devido à urgente necessidade, como aumentar a autonomia dos alunos e o maior uso das tecnologias digitais” explicou Coelho.

 

O professor Silvio Luiz Vichroski, do SENAI Vilhena, também expôs seu ponto de vista. Ele lembra que para os docentes, uma das principais dificuldades hoje, é atrair e principalmente manter a atenção do aluno às aulas. “Sentar em nossa mesa abrir o livro do professor e simplesmente ler ou pedir que os alunos leiam determinado texto, ou encher o quadro com informações está ficando obsoleto, a maneira de ensinar e aprender está em constante mudança e adaptação, e cabe aos professores buscar alternativas para deixar as aulas interessantes e atrativas”, argumentou.

 

Vichroski afirmou que atualmente existem muitas plataformas para auxiliar e deixar as aulas mais interessantes e divertidas, como usar a gamificação nas aulas, e cita como exemplo o Minecraft Education, onde os professores podem variar as atividades em sala de aula usando uma ferramenta digital familiar aos alunos permitindo o despertar da criatividade. Outro programa que facilita processo de ensino aprendizagem é o CoderZ, uma plataforma digital onde os alunos programam robôs virtualmente, eles aprendem habilidades valiosas em Steam (sistema de aprendizado científico agrupando disciplinas como ciência, tecnologia, engenharia e matemática e artes), como codificação, robótica e computação física.

 

O superintendente do SESI-IEL e diretor regional do SENAI-RO, Alex Santiago ressalta o ponto de vista do professor Silvio Vichroski, citando as tecnologias digitais como contribuição para a aprendizagem por serem interativas, prendendo a atenção dos alunos e estimulando a criatividade, além de permitir a busca autônoma por conhecimento, através de jogos educativos, vídeos explicativos, entre outros. “Para que as tecnologias digitais estejam a serviço da aprendizagem, é preciso que as ferramentas incorporem os conceitos educacionais de forma didática, para estimular os alunos a interagirem e criarem”, alertou.

 

 


Mais notícias

Odontóloga do SESI Saúde de Porto Velho alerta à importância da higiene bucal

Alunos do Novo Ensino Médio do SESI Rondônia participam de simulado ENEM 2021

Conexão Maker: empreendedores solucionam problemas ambientais e sociais com tecnologia e inovação

EJA EAD do SESI oportuniza continuidade dos estudos para trabalhadores da indústria